Trump tenta suspender bloqueio de vendas da ZTE nos EUA

Trump tenta suspender bloqueio de vendas da ZTE nos EUA

Na quarta-feira, o grupo chinês de telecomunicações indicou que as suas principais operações foram interrompidas por causa da decisão norte-americana e que a sua sobrevivência estava mesmo ameaçada.

A proibição imposta a companhias dos EUA de vender componentes e software à ZTE por sete anos foi mortal, visto que seus dispositivos e soluções dependem de peças e softwares de parceiros como Google, Qualcomm, Microsoft e Intel, entre outras locais em qualquer outro mercado e dessa forma, não só a chinesa foi basicamente exterminada como as mencionadas deixarão de fazer muito dinheiro.

Mas ao estender a mão a Pequim para solucionar o caso do gigante chinês de telecomunicações ZTE, alvo de sanções americanas, o presidente Donald Trump "talvez possa ter se comprometido em iniciar o que sem dúvidas será um longo processo".

Para grande satisfação de Pequim, quando o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, deve começar na terça-feira uma visita a Washington, Trump garantiu que o Departamento do Comércio tinha recebido a ordem de encontrar uma forma para a ZTE "retomar as suas atividades, depressa".

Isto cerca de uma semana depois de Donald Trump ter voltado a impor sanções ao Irão, o terceiro maior produtor de petróleo. O presidente fala de "muitos empregos perdidos na China" mas o buraco é muito mais embaixo, não só é uma forma de manter negócios com uma das maiores empresas de tecnologia da China e evitar que as parceiras americanas passem por maus bocados, como uma forma de por panos quentes na "guerra comercial" que ambos países vêm travando nos últimos tempos.

O timing para a "promessa" de Trump acontece em um momento em que autoridades chinesas e dos EUA se preparam para conversas em Washington. Uma proposta de Trump para reverter as punições, certamente, aliviaria a tensão entre as duas potências. O governo chinês já havia pedido à FTC e ao governo dos EUA ajuda para aliviar as medidas que provocaram a sanção para a ZTE.

Artigos relacionados