Prefeitura não pode ser acusada por incêndio em prédio, diz Bruno Covas

Prefeitura não pode ser acusada por incêndio em prédio, diz Bruno Covas

Moradores do prédio que desabou afirmam que o incêndio começou por volta da 1h30 após uma explosão no quinto andar. Alguns são particulares e o Estado não pode tirar.

Durante entrevista à GloboNews, o governador de SP acrescentou que o Estado está apoiando a Prefeitura e as famílias estão sendo encaminhadas para abrigos. "A Prefeitura Regional está em processo de diálogo para retirar o lixo que se acumulava lá dentro", afirmou Covas a jornalistas ao visitar o local nesta manhã. "A partir do levantamento é que nós vamos estabelecer um plano de ação", disse o prefeito Bruno Covas durante entrevista coletiva. Elas vão receber água e alimentação.

Hoje foram cadastradas um total de 320 pessoas, que moravam no prédio incendiado.

Segundo comerciantes do entorno, antes de a construção ruir, algumas pessoas pediam socorro no último andar. De acordo com o tenente André Elias, 60 viaturas e 170 homens do Corpo de Bombeiros trabalham no local.

"A Defesa Civil vai fazer um levantamento nos 70 prédios que estão ocupados, que estão invadidos na cidade de São Paulo, para a gente verificar que ações precisam ser tomadas, se há alguma ação emergencial que precisa ser feita por conta de risco desses 70 prédios", disse Covas.

"Nós temos 70 prédios em situação semelhante a esse".

O prefeito afirmou que, em até 48 horas, a prefeitura vai disponibilizar a lista de cadastrados para o governo do estado de São Paulo comece a pagar o auxílio-aluguel. Ele reforçou que a prefeitura tenta desestimular as ocupações irregulares. Covas admitiu que, na avaliação da administração, o prédio não estava adequado e não tinha as "condições necessárias" para moradia daquelas pessoas. "Não podemos obrigar as pessoas a sair". As testemunhas dizem que quebraram vidraças, espalhando-se rapidamente pelos andares e atingindo os prédios vizinhos. As vias devem ficar fechadas para a circulação de pessoas pelos próximos 15 dias. Um hotel ao lado dos edifícios em chamas também foi esvaziado e interditado. Segundo ele, vários clientes deixaram o estabelecimento quando viram o incêndio. Três quarteirões estão fechados.

Artigos relacionados