Preço da cesta básica caiu em 16 capitais no mês de abril

Preço da cesta básica caiu em 16 capitais no mês de abril

Dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Diesse), informaram que a cesta básica teve uma queda no valor em 16 Estados brasileiros no mês de abril. As maiores quedas aconteceram em João Pessoa (4,02%), Recife (2,73%) e Fortaleza (2,58%), enquanto houve alta em Goiânia (1,49%), Salvador (0,79%), Aracaju (0,77%) e Manaus (0,66%). Em 12 meses, o valor caiu em 16 capitais, com destaque para João Pessoa (-29,48%), Salvador (-28,91%), Recife (-28,08%) e Natal (-25,90%). De acordo com o levantamento, as seis cestas mais baratas foram encontradas em capitais do Nordeste. João Pessoa foi a cidade com variação mais expressiva (-12,22%), seguida por Salvador (-11,24%) e Fortaleza (-10,42%). A pesquisa traz Campo Grande em 11º lugar entre as 20 capitais com a cesta mais acessíveis - R$ 378,40 em abril, apresentando queda de R$ 4,07 em relação ao mês anterior. No período de 12 meses, o produto apresentou queda em todas as cidades, em especial em Goiânia (24,79%), Aracaju (19,91%) e Belém (19,91%).

Além da banana, que já aumentou 27,63% nos primeiros quatro meses do ano em Manaus, o café (3,02%), o leite (2,56%) e o óleo de soja foram os produtos com maior influência no preço da cesta, em abril. Apesar da elevação das exportações de óleo, internamente, a demanda seguiu baixa, o que reduziu os preços no varejo. As quedas ocorreram em Fortaleza (0,80%) e Salvador (0,29%).

No ano, o conjunto de alimentos subiu 0,83%. Em 12 meses, a variação anual foi de -2,57% e, nos quatro primeiros meses de 2018, de 2,46%. Os aumentos foram registrados para feijão carioquinha (1,09%), batata (2,10%), manteiga (2,14%) e leite integral (3,40%). No mesmo período, o valor do quilo do açúcar refinado caiu em 16 cidades e aumentou em Belém (0,71%), Vitória (1,25%), Manaus (1,41%) e Goiânia (4,70%). Sete produtos apresentaram alta, quatro tiveram queda e um ficou estável no mês analisado.

Em abril de 2018, o custo da cesta em São Paulo comprometeu 49,54% do salário mínimo líquido (após os descontos previdenciários).

Artigos relacionados