Gugu pode ser condenado em processo após morte de irmãs

Gugu pode ser condenado em processo após morte de irmãs

Em nota, a Promoart, de Gugu Liberato, "informa que o processo segue os trâmites do Judiciário e que a empresa sempre esteve totalmente a disposição da justiça para apurar e esclarecer as reais responsabilidades".

Peritos da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) estiveram na cobertura e, após os levantamentos técnicos, chegaram à conclusão que uma obra realizada em 2002 nas duas coberturas acabou alterando a chaminé coletiva e isto foi a causa da morte das duas irmãs. A mãe das garotas, Conceição Gonçalves Ferreira, move desde 2007 um processo contra a Promoart, que pertence ao apresentador da Record, o Condomínio Barra Beach, o engenheiro Ronald Stourdze D'angelo Visconti e a Sfera Engenharia. As meninas estavam hospedadas em uma propriedade do apresentador, localizada no Rio de Janeiro, quando o acidente aconteceu, em agosto de 2007.

Mas afinal qual a real responsabilidade cobrada do apresentador? Ela mora em Milão há quase 20 anos e está no Brasil para a audiência de instrução e julgamento está marcada para o dia 29 deste mês. Triste, deprimida, a mãe espera que a morte de suas duas filhas [VIDEO] não seja apenas mais números para as estatísticas e torce para que os culpados possam ser punidos de forma severa. "Existem responsáveis pela morte deles, e eles têm responder por isso", disse Conceição à coluna.

O acidente aconteceu quando a família estava de férias. Filhas de Conceição com um italiano, Kawai e Keilua ficaram com a avó materna no Rio e com o padrasto, que morava abaixo da cobertura linear de Gugu Liberato. Ele foi com as meninas até a praia e, quando voltaram, elas foram tomar banho, para logo em seguida comer uma pizza.

"O prazo para a ação criminal expirou, mas a cível continuou".

A mãe foi informada da morte das filhas por telefone, quando já estava na Itália. "Paguei mais de R$ 20 mil para a perícia emitir um laudo que comprova a culpa dos réus", conta. Ela relembrou ainda que, à época, a advogada de Gugu Liberato ofereceu em torno de R$ 200 mil em um acordo. "Mas parece que só mexendo no bolso das pessoas para elas entenderem o que é a dor de uma mãe", desabafou Conceição.

Artigos relacionados