Ex-técnico acusado de abuso sexual infantil é afastado

Ex-técnico acusado de abuso sexual infantil é afastado

As informações foram reveladas no Fantástico, da Rede Globo, deste domingo.

Fernando de Carvalho Lopes, ex-técnico da Seleção Brasileira masculina de ginástica artística e funcionário do Clube Movimento de Expansão Social Católica (Mesc), de São Bernardo do Campo, é alvo de investigação do Ministério Público Estadual de São Paulo por supostos abusos sexuais cometidos contra meninos, menores de idade, durante os últimos anos.

Durante a investigação que durou quase quatro meses e ouviu mais de 80 pessoas, 42 ginastas e ex-ginastas alegam terem sido vítimas de algum tipo de abuso físico, moral ou sexual por Fernando de Carvalho Lopes.

Os abusos teriam acontecido ao longo de vários anos. Embora Lopes não tenha mais ligação com a entidade desde 2016, quando surgiu a primeira denúncia, de um menino de 13 anos, Goto segue como um dos técnicos mais prestigiados do Brasil. O técnico tirava qualquer cortina que houvesse na ducha, testava os novos uniformes apalpando as genitálias dos garotos e insistiu várias vezes em dormir com alguns deles, com destaque para Petrix Barbosa, um dos ex-pupilos de Fernando que revelou sua identidade na reportagem. O treinador sempre trabalhou com as categorias de base, começou no vôlei e mudou para a ginástica.

Todos acusam o técnico de aproveitar a pouca idade deles e a falta de conhecimento dos processos do treinamento para tocá-los insistentemente. Segundo eles, o treinador os tocava em suas partes íntimas constantemente.

De acordo com o Mesc, Fernando de Carvalho estava trabalhando no local apenas na parte administrativa e não exercia mais atividades relacionadas à ginástica. Banho junto, me espiar.

"Ele sempre perguntava como estava o nosso desenvolvimento". Eu tinha 10, 11 anos, e ele (alegava que) precisava acompanhar nosso crescimento, então dizia que a gente precisava mostrar o pênis. Fernando nega todas as acusações de abuso sexual. Eles vão ter que provar na Justiça. "Acho leviano o tom da matéria em relação à minha pessoa, onde o principal foco foi esquecido e os verdadeiros responsáveis e omissos estão acobertados", afirmou.

Artigos relacionados