Em cenário sem Lula, Bolsonaro lidera pesquisa para presidente

Em cenário sem Lula, Bolsonaro lidera pesquisa para presidente

O petista aparece com 32,4% no primeiro turno, uma queda dentro da margem de erro - que é de 2,2 pontos percentuais - em relação aos 33,4% que tinha em março, antes de ser encarcerado na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR), para iniciar o cumprimento da pena de 12 anos e um mês na Operação Lava Jato.

Do total de inquiridos, 56,5% dizem que "nunca votariam" na candidata ambientalista, contra 52,8% que se recusam a votar no candidato do Partido Social Liberal. A pesquisa ouviu 2.002 pessoas 25 unidades federativas de todas as regiões do País, e tem uma margem de erro de 2,2 pontos porcentuais.

Há ainda um terceiro cenário estimulado sem Lula: neste, o deputado do PSL registra 18,3%; Marina, 11,2%; e Ciro, 9%. Em uma disputa com Alckmin, Bolsonaro registraria 27,8% e o tucano, 20,2%. O presidente Michel Temer (MDB) tem a maior rejeição, com 87,8% dos entrevistas dizendo que não votariam de jeito nenhum nele.

Desde que Temer assumiu a Presidência, em maio de 2016, após impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), esta foi a sexta pesquisa realizada pela CNT/MDA sobre a avaliação do seu governo.

Isto significa que, no espaço de um mês, Gomes conseguiu roubar algumas intenções de voto a Marina Silva e ao líder da corrida. Sem ele, vai para o primeiro, oscilando entre 18,3% e 20,7%. O mesmo acontece com o percentual de indecisos, que vai de 8,7% para até 16,1%.

Marina, por sua vez, mantém a posição que já tinha na pesquisa anterior, mas agora em empate técnico com Ciro em todos os cenários, mesmo que numericamente à frente.

Esse levantamento também não considerou o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (PSB), que anunciou na última semana que não concorrerá à Presidência. A pesquisa também lembrou os nomes de Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Álvaro Dias (Podemos), Fernando Collor (PTC), Michel Temer (MDB), Guilherme Boulos (PSOL), Manuela D'Ávila (PC do B), João Amoêdo (Novo), Flávio Rocha (PRB), Henrique Meirelles (MDB), Rodrigo Maia (DEM), Paulo Rabelo de Castro (PSC). Geraldo Alckmin (PSDB) cai de 6,4% para 4%.

Assim mostra uma sondagem do CNT/MDA divulgada esta segunda-feira e citada pela agência Reuters, um inquérito de opinião que foi conduzido junto de 2002 brasileiros entre 9 e 13 de maio e que excluiu da lista de candidatos o antigo Presidente do Brasil Lula da Silva.

Sem Lula, os principais beneficiados são Marina e Ciro Gomes, que ganham cerca de 4% de intenções cada.

A pesquisa CNT/MDA apresenta ainda dois cenários. Bolsonaro e Marina Silva (Rede) vêm na sequência, com 16,7% e 7,6%, respectivamente. Geraldo Alckmin só tem 8,1% da preferência do eleitorado.

Artigos relacionados