Catalunha. Novo presidente do governo promete "ser leal ao mandato do referendo"

Catalunha. Novo presidente do governo promete

O movimento anti-sistema e independentista Candidatura de Unidade Popular (CUP) decidiu que os seus quatro deputados no parlamento de Barcelona se vão abster na votação para investir o presidente do governo - o que significa que Quim Torra será eleito na segunda-feira. Nas eleições autonómicas de dezembro de 2017, convocadas por Madrid após a declaração unilateral da independência do final de outubro do mesmo ano, os independentistas que entraram para o parlamento regional foram o Juntos Pela Catalunha (34 deputados; liderado por Carles Puigdemont, então na Bélgica), a Esquerda Republicana Catalunha (32 deputados; cujo cabeça de lista, Oriol Junqueras, já estava à altura em prisão preventiva); e a CUP, com 4 deputados.

O Parlamento catalão - onde os partidos pró-independência são maioria - tem até 22 de maio para eleger um novo líder regional, se quiser evitar a convocação de novas eleições na região.

Quim Torra foi eleito o novo presidente catalão.

Quim Torra é uma das figuras mais próximas de Carles Puigdemont, o antigo presidente regional que tem vivido exilado, depois de as autoridades espanholas o terem acusado de rebelião. "A República é para todos e não interessa em quem se vote". Quim Torra foi o quarto candidato apresentado à investidura, isto depois de Puigdemont, Jordi Sànchez e Jordi Turrul terem fracassado, o primeiro por estar numa espécie de exílio e os dois "jordis" por se encontrarem detidos em Espanha.

O Executivo vai apostar pelo "entendimento e pela concórdia", disse o chefe do Governo espanhol, garantindo que "a lei, a Constituição espanhola e o resto do ordenamento jurídico se irão cumprir".

Torra é deputado do partido Juntos Pela Catalunha. O primeiro-ministro reconheceu que o momento atual não é fácil e fez um apelo no sentido da contenção, da tranquilidade e de que "ponha de lado a ansiedade".

Neste terceiro discurso, o novo líder da Catalunha fez questão de começar por "agradecer a generosidade e responsabilidade do presidente Puigdemont, a quem investiremos".

Torra é uma das figuras menos conhecidas dos independentistas catalães mas, em 2015, dirigiu durante vários meses a poderosa associação cívica separatista Omnium Cultural. A confirmação da eleição por parte dos deputados favoráveis à independência chegou ao início desta tarde.

Artigos relacionados