Ação da Lava Jato caça doleiros que movimentaram US$ 1,6 bilhão

Ação da Lava Jato caça doleiros que movimentaram US$ 1,6 bilhão

Em mais um desdobramento da Operação Lava Jato, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) estão cumprindo cerca de 45 mandados prisão na manhã desta quinta-feira (3).

Um dos principais alvos desta operação é Dário Messer, apontado como o principal doleiro do Brasil. Os mandados, no Brasil, são para os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. "A operação visa desarticular organização criminosa especializada na prática de crimes financeiros e evasão de divisas, responsável por complexa estrutura de lavagem de dinheiro transnacional, ocultação e ocultação de divisas", diz o texto da PF. Nele, os doleiros remetem recursos ao exterior através do "dólar-cabo", um modo de envio de dinheiro que não passa por instituições financeiras reguladas pelo Banco Central. Ele era uma espécie de mentor de Vinicius Claret e Cláudio Barbosa, doleiros responsáveis pelas delações que deram origem a essa nova operação. Em paraísos fiscais, as empresas ocultavam o verdadeiro dono do dinheiro depositado em uma determinada conta. O esquema teria movimentado mais de 1,6 bilhão de dólares. Os dois, que foram presos pela Lava Jato no Uruguai, trabalhavam para a organização criminosa chefiada pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

Dário Messer tem o apelido de Carragas pois sua casa no Rio de Janeiro fica em frente às Ilhas Cagarras.

De acordo com as investigações, o grupo usava softwares que uniam doleiros do mundo todo, o que o Ministério Público Federal chama de instituição financeira clandestina.

Artigos relacionados