Lula vai ficar no sindicato junto com militância, diz Gleisi Hoffmann

Lula vai ficar no sindicato junto com militância, diz Gleisi Hoffmann

O petista deve se apresentar na sede da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, até as 17 horas desta sexta-feira. "Não esgotamos os recursos jurídicos que podem ser alocados, portanto não há base legal nem previsão constitucional para que o juiz Sérgio Moro possa adotar esse tipo de postura ou autorizar esse tipo de decisão", acrescentou. A ideia é denunciar supostas arbitrariedades no processo que condenou Lula e mostrar que o ex-presidente sofreu um julgamento político. O que eu espero é que eles não deixem ele se entregar.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que a decisão do juiz Sérgio Moro de expedir mandado de prisão contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quinta-feira, 5, reedita os tempos da ditadura militar.

"A militância não deveria permitir mesmo que ele queira se entregar".

Os seis votos contra o habeas corpus (e cinco a favor) do Supremo Tribunal abriram porta à prisão de Lula por 12 anos e um mês. Entre eles, estavam a presidente cassada, Dilma Rousseff, os governadores Wellington Dias (PI), Tião Vianna (AC) e Fernando Pimentel (MG), além do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

"A Constituição Federal é clara quando diz que um cidadão só pode ser preso após condenação em última instância".

"E ao pautar o julgamento do habeas corpus de Lula, antes de apreciar as ações que restabelecem a presunção da inocência como regra geral, a presidenta do STF determinou mais um procedimento de exceção".

Artigos relacionados