Lula não se entregará a Moro?

Lula não se entregará a Moro?

Lula tem até as as 17h desta sexta-feira (6) para se apresentar voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba, determinou Moro.

"Relativamente ao condenado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, concedo-lhe, em atenção à dignidade do cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17:00 do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão", escreve Moro na decisão (leia o despacho completo ao final).

O juiz diz ainda que os detalhes da apresentação deverão ser acordados entre os advogados de Lula e o Superintendente da Polícia Federal no Paraná, delegado Maurício Valeixo.

Após o despacho, Zanin divulgou nota em que questiona a determinação da prisão, confrontando-a com determinação do próprio TRF-4 que havia condicionado ordem de prisão ao "ao exaurimento dos recursos possíveis de serem apresentados para aquele Tribunal, o que ainda não ocorreu". A defesa sequer foi intimada do acórdão que julgou os embargos de declaração em sessão de julgamento ocorrida no último dia 23/03. Em segunda instância, o ex-Presidente do Brasil viu a justiça manter a condenação e ampliar-lhe a pena para 12 anos e um mês de prisão.

Lula acredita que a prisão representa o "sonho de consumo" de Moro e de outros que querem ver o petista "um dia preso". Além disso, foi preparada uma sala reservada, "espécie de Sala de Estado Maior, na própria Superintência da Polícia Federal, para o início do cumprimento da pena, e na qual o ex-Presidente ficará separado dos demais presos, sem qualquer risco para a integridade moral ou física", diz a decisão.

O advogado recordou que ainda tem "os embargos dos embargos e a possibilidade de recursos extraordinário ao STJ e extraordinário ao STF", numa referência à possibilidade de apresentar novos recursos no Superior Tribunal de Justiça e no Supremo Tribunal Federal. Região em um processo penal que afirma que o petista foi beneficiário de um apartamento tríplex no Guarujá (SP) como forma de propina paga pela empreiteira OAS. A máxima corte brasileira recebeu na manhã de hoje um pedido de liminar contra a prisão em segunda instância, mas o pedido ainda não foi analisado.

EX-EXECUTIVOS DA OAS JÁ ESTÃO PRESOSAlém de Lula, também foram alvo do mandado de prisão Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS condenado no caso tríplex a três anos, seis meses e vinte dias de reclusão, o que lhe permitiria regime semiaberto, mas ele já cumpre pena por outra condenação na Lava-Jato.

A assessoria de comunicação do Tribunal Regional Federal da 4a. Dessa maneira, eles entenderam que os embargos dos embargos serviriam apenas para atrasar a ação e que a segunda instância já está encerrada, permitindo, assim, a prisão do ex-presidente.

Artigos relacionados