Lula decide nas próximas horas como cumprirá ordem de prisão

Lula decide nas próximas horas como cumprirá ordem de prisão

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou na noite desta quinta que não há outro motivo para justificar a decisão do juiz Sérgio Moro de emitir um mandado de prisão contra Lula (PT) que "não seja a sua obsessão, ódio e rancor" ao ex-presidente.

De acordo com informações do canal "Globo News", o ex-presidente não ficará na carceragem, mas, sim, detido numa sala de Estado Maior, no prédio da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná.

Boulos interrompeu uma caravana pelo Nordeste e voltou a São Paulo nesta quinta-feira depois de o Supremo Tribunal Federal negar habeas corpus de Lula.

O diretor-geral da PF, Rogério Galloro, chegou a escalar emissários para estabelecer diálogo com aliados de Lula. No espaço, Lula ficará separado dos demais presos, sem risco para sua integridade moral ou física. Três pessoas próximas a Lula foram procuradas com o objetivo de abrir diálogo para acertar as condições e o local do encarceramento. Dentro dela, uma cama, uma mesa e um banheiro exclusivo. O processo do tríplex no Guarujá (SP), pelo qual cumprirá pena, ainda não esgotou a sua tramitação no TRF-4, corte de segunda instância. Até o dia 9 de abril, o petista teria um último recurso a ser julgado.

Em sua decisão, Moro defendeu que não cabem mais recursos com efeitos suspensivos junto ao tribunal. Em janeiro, o TRF-4 confirmou a condenação e aumentou a pena para 12 anos e um mês de prisão.

O juiz Sérgio Moro concedeu uma resposta categórica às insinuações realizadas pela defesa do ex-presidente da República [VIDEO], Luiz Inácio #Lula da Silva.

Petistas têm afirmado que Lula concorrerá mesmo preso e se recusam a falar em plano B. No entanto, são aventados os nomes de Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, e Jaques Wagner, ex-governador da Bahia.

Artigos relacionados