China considera impossível negociação com EUA nas condições atuais

China considera impossível negociação com EUA nas condições atuais

O foco nesta semana estará no fórum, com o presidente chinês, Xi Jinping, e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, dando discursos na terça-feira (10).

"A China vai entrar em uma nova fase de abertura", declarou Xi em discurso para altos dirigentes internacionais reunidos no Fórum de Boao para a Ásia, uma conferência conhecida como o "Davos chinês".

"Não estamos tratando de obter um excedente comercial", garantiu Xi, no momento em que os Estados Unidos acumulam um imenso déficit com a China, que totalizou 375 bilhões de dólares em 2017.

Depois que Donald Trump ameaçou adotar tarifas de importação sobre produtos chineses no valor de 150 bilhões de dólares, Xi se comprometeu a abrir o mercado chinês, aumentar as importações e proteger os direitos de propriedade intelectual.

"A globalização econômica é uma tendência irreversível no momento", declarou Xi. China said on April 6 it is ready to pay "any cost" in a trade war after US President Donald Trump threatened an additional 100 billion USD in tit-for-tat tariffs on Beijing. "Na questão da soja, por exemplo, a decisão da China de impor tarifa sobre a exportação do produto dos Estados Unidos ajuda os produtores de soja do Brasil", disse.

O secretário reconheceu que acompanha a disputa entre os dois países pelos jornais e acrescentou que, numa visão "mais geral e profunda", uma guerra comercial entre EUA e China não seria bom para o Brasil e nenhum outro país.

O presidente americano já criticou publicamente a OMC, a quem acusou de ser injusta em relação a seu país.

Nesta terça-feira, a China pediu à Organização Muncial do Comércio (OMC) que intermedeie a sua disputa com os Estados Unidos devido às novas tarifas sobre o aço e o alumínio impostas por Trump.

Na denúncia, apresentada em 5 de abril, as autoridades de Pequim solicitam de modo concreto "a abertura de consultas com o governo dos Estados Unidos sobre algumas medidas contra os produtos de aço e alumínio".

Sem responder diretamente a Trump, Xi prometeu que a China reduziria as tarifas para os carros e outros bens, sem apresentar detalhas ou revelar uma data para a entrada em vigor da reforma. Limitações à participação de capital estrangeiro deverão ser revistas, principalmente na indústria automobilística. Para isso, o escritório estatal de propriedade intelectual será fortalecido, assegurou.

Artigos relacionados