Centenas no adeus a Stephen Hawking

Centenas no adeus a Stephen Hawking

Este sábado em Cambridge, Inglaterra, estiveram centenas de pessoas para dizerem o seu último adeus a Stephen Hawking.

Os familiares do professor escolheram a igreja Great St. Mary's, da Universidade, para a realização do velório.

Hawking desafiou as previsões de que ele viveria apenas por alguns anos, embora sua condição rara - esclerose lateral amiotrófica (ELA) - gradualmente roubasse sua mobilidade. "Assim, o serviço será inclusivo e tradicional, refletindo a amplitude e a diversidade de sua vida", disseram.

O corpo do britânico será cremado e as cinzas enterradas na Abadia de Westminster, ao lado do túmulo de Isaac Newton.

"A vida e o trabalho de nosso pai significaram muitas coisas para muitas pessoas, tanto religiosas quanto não-religiosas". Era doutor em cosmologia.

Seu trabalho concentrou-se em reunir a relatividade - a natureza do espaço e do tempo - e a teoria quântica - como as partículas menores se comportam - para explicar a criação do Universo e como ele é governado. Pouco tempo antes de morrer, ocupava o lugar de Diretor de pesquisa do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica (DAMTP) e fundador do Centro de Cosmologia Teórica (CTC) da Universidade de Cambridge.

Entre os cerca de 500 convidados presentes nas cerimónias fúnebres constaram várias figuras públicas, como foi o caso do guitarrista do grupo Queen Brian May ou do ator Eddie Redmayne que representou o famoso físico no filme "A Teoria de tudo", desempenho que foi distinguido com o Óscar de Melhor Ator (2015).

Ele estava confinado a uma cadeira de rodas, quase completamente paralisado e incapaz de falar, exceto através de seu sintetizador de voz. Ele deixa 3 filhos e 3 netos.

Artigos relacionados