Polícia apreende carro que pode ter sido usado no assassinato de Marielle

Polícia apreende carro que pode ter sido usado no assassinato de Marielle

A campanha, que começou a 6 de março e se prolonga até ao dia 27, passa por um conjunto de iniciativas, como debates, encontros e conversas, destinadas a colocar na agenda mediática o problema do racismo na sociedade brasileira. Segundo informações da polícia, uma denúncia teria conduzido agentes civis de Ubá (MG) até o carro abandonado.

O carro de Marielle foi atingido por nove tiros na noite de quarta (14), em ação que a polícia acredita ter sido premeditada. Um grupo de investigadores seguiu ainda ontem para a cidade mineira. A dada altura, parou junto da estação de metro Estácio.

O comediante Marcelo Adnet, cujo post em defesa de Marielle viralizou nas redes sociais, pediu por mais respeito à sua figura e ao que ela representava. De repente, foram disparados nove tiros a partir daquele veículo, todos dirigidos ao banco de trás do carro, onde a vereadora ia sentada. Os dois morreram de imediato. Uma assessora da vereadora que também estava no veículo foi atingida por estilhaços, recebeu atendimento médico e foi liberada. Depois, atirou-se para fora do veículo, afastando-se agachada no chão, como explica a revista brasileira Veja. O parlamentar providenciou um reforço em sua equipe, que conta com nove policiais.

Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, ela disse estar "apavorada" e "despedaçada". O nome da assessora e seu destino não foram divulgados, por questão de segurança. Em 2017, 1.124 pessoas foram mortas pela polícia. A assessora deixou o Estado do Rio no fim desta semana para se proteger. Por isso, as suspeitas do crime voltaram-se de imediato para estas milícias.

A morte ocorreu no momento em que a intervenção federal na segurança pública do Rio completa um mês.

Entre aqueles que atuavam ao lado de Marielle na política, o clima é de apreensão.

Às 14h os manifestantes saíram em passeata pela Linha Amarela, acompanhados por um carro de som, passando pela Avenida Brasil e chegando até a praça do Parque União.

Ele é mais uma peça na procura pelos autores do crime.

Artigos relacionados