Vacina fracionada da febre amarela não vai valer para quem for viajar

Vacina fracionada da febre amarela não vai valer para quem for viajar

Segundo nota divulgada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), "não será emitido CIVP, em hipótese alguma, para quem apresentar comprovante de vacinação com etiqueta referente à dose fracionada".Ao todo, 135 países no mundo exigem o comprovante de vacinação contra febre amarela para ingressar no país. Segundo a Anvisa, no entanto, quem tiver viagem marcada para um dos países que exigem comprovação da vacina precisa receber a dose padrão. O objetivo é aumentar a cobertura vacinal diante do avanço da doença em algumas regiões do País, como a região metropolitana de São Paulo, que confirmou as primeiras mortes pela doença na semana passada.

A regra também vai valer para a dose padrão, que será aplicada gratuitamente em postos de vacinação com a apresentação do comprovante.

Para atingir a proteção esperada, as vacinas precisam ser aplicadas com antecedência que, segundo a Anvisa, pode variar entre 10 dias e seis semanas.

O Ministério da Saúde anunciou que entre fevereiro e março deste ano, 75 municípios de São Paulo, do Rio de Janeiro e da Bahia irão adotar campanhas de vacinação contra a febre amarela com doses fracionadas. Também é possível consultar a lista no site da Organização Mundial de Saúde.

Trata-se da divisão da dose antes aplicada: a dose padrão contém 0,5 ml e a versão dividida passa a ter 0,1 ml.

O fracionamento faz com que uma dose da vacina contra febre amarela, que antes servia para uma única pessoa, agora será aplicada em quatro pessoas. "A dose fracionada, até o presente momento, tem mostrado exatamente a mesma capacidade de imunização que a dose integral", declarou o ministro. Estudos em andamento, segundo ele, vão continuar a avaliar a proteção da dose fracionada posterior a esse período.

Artigos relacionados