Preço da bitcoin apresenta queda após proibição da Coreia do Sul

Preço da bitcoin apresenta queda após proibição da Coreia do Sul

O governo sul-coreano anunciou esta quinta-feira, 11 de Janeiro, que se prepara para proibir a negociação de criptmoedas no país, que é a morada de mais de uma dúzia de bolsas de moedas electrónicas, de acordo com os dados da Korea Blockchain Industry Association, citados pela Reuters.

O analista de criptoinvestimentos da NH Investment & Securities, Park Nok-sun, afirmou que o aumento de mais de 1.500% na cotação do Bitcoin em 2017 criou uma demanda gigantesca pela moeda no país, que atraiu desde estudantes universitários a donas de casa, muitas vezes criando vícios similares a jogos de azar.

A posição dura do governo desencadeou vendas de criptomoedas nas bolsas locais e no exterior.

O valor da moeda virtual na região caiu em torno de 21% e chegou a ser comercializada por US$ 17 mil, sendo que ainda está sendo comercializado com um valor até 30% menor que o praticado em outros países.

A Coreia do Sul representa uma grande fatia na procura global das criptomoedas e, por isso, a Bitcoin desvalorizou no seguimento do anúncio.

"Há grande preocupação com as moedas virtuais e o Ministério da Justiça está basicamente preparando um projeto de lei para proibir o comércio de criptomoedas por meio das bolsas", disse Park em entrevista coletiva, conforme o escritório de imprensa do ministério.

Um responsável do Ministério da Justiça acrescentou que a proposta de proibição da negociação foi anunciada depois de "muita discussão" com outras agências governamentais, incluindo o Ministério das Finanças do país e os reguladores financeiros.

Estima-se que será na Coreia do Sul que se faz uma em cada cinco transações envolvendo as principais criptomoedas - em que a bitcoin é a mais conhecida mas está longe de ser a única cuja popularidade disparou nos últimos meses (e o preço também).

Artigos relacionados