Justiça manda ex-governador do Amazonas de volta para cadeia

Justiça manda ex-governador do Amazonas de volta para cadeia

O Ministério Público Federal (MPF) protocolou na tarde deste sábado (30) quatro correições parciais junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) pedindo a nulidade das decisões que desconstituíram prisões preventivas e temporárias regularmente determinadas, transformando-as em prisão domiciliar para José Melo, Afonso Lobo, Pedro Elias e Wilson Alecrim.

Para a juíza federal Ana Paula Serizawa não existem documentos ou fatos novos a serem considerados e não cabe a juiz plantonista revisar decisão anterior. O político é acusado de integrar uma quadrilha que promoveu desvios milionários de recursos do sistema de saúde pública no Estado. Melo é investigado por corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de capitais e de organização criminosa.

A Polícia Federal afirma que o ex-governador recebia pagamentos periódicos do grupo.

O ex-governador e os ex-secretários Afonso Lobo, Wilson Alecrim e Evandro Melo, que é irmão do ex-governador, foram presos no domingo (31).

A informação era de que o ex-governador e os ex-secretários seriam transferidos ainda nesta segunda da Superintendência da Polícia Federal para uma unidade prisional do estado, mas isso só deve ocorrer na terça-feira (2). O MPF verificou potencial abuso judicial e tumulto processual nas decisões determinadas no plantão do dia 26 de dezembro, que concedeu prisão domiciliar a 03 custodiados. No final de dezembro, o ex-governador já havia sido detido -sua prisão, no dia 21, marcou a terceira fase da Maus Caminhos, operação iniciada em setembro do ano passado e que investiga o desvio de pelo menos R$ 50 milhões de repasses do governo federal ao sistema de saúde do Amazonas. O ex-governador deixou o Executivo antes do fim do mandato, depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou a chapa da qual ele fazia parte por compra de votos.

Artigos relacionados