Incêndio de grandes dimensões perto da Gare do Oriente

Incêndio de grandes dimensões perto da Gare do Oriente

Segundo disse à Lusa a presidente da Junta dos Olivais, após ter recolhido informações junto da Proteção Civil, o incêndio terá tido origem "num curto-circuito" que depressa se alastrou devido ao "material inflamável e têxtil" existente no edifício.

O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa.

Um incêndio de grandes dimensões está a consumir um armazém chinês na zona dos Olivais, em Lisboa.

Fonte do Regimento de Sapadores de Lisboa confirmou ao JN que o edifício, situado ao fundo da Avenida de Berlim, perto da gare do Oriente, está "tomado pelas chamas", mas escusou-se a avançar mais pormenores.

Este responsável referiu ainda que foi "aconselhado" aos moradores dos edifícios nas proximidades da loja que saíssem das suas habitações e que fechassem as janelas, devido à intensa nuvem de fumo, que, pelas 20:15, ainda se verificava no local. De acordo com o site Autoridade Nacional da Protecção Civil, estão no local 53 operacionais e 20 viaturas.

Para o local, o INEM enviou a Viatura Médica de Emergência e Reanimação, do Hospital de São José, um motociclo de emergência e duas ambulâncias.

A mesma fonte da Proteção Civil, no local, explicou que estas duas pessoas estavam no interior do armazém e inalaram fumo, mas que se encontram "bem de saúde" e fora de perigo. A assistir à operação de combate ao incêndio estiveram cerca de duas dezenas de cidadãos chineses, que se juntaram aos proprietários e funcionários da "Maxina".

Artigos relacionados