Fernando Pinto vai sair da presidência executiva da TAP

Fernando Pinto vai sair da presidência executiva da TAP

Fernando Pinto vai mesmo deixar a presidência executiva da TAP, dando o lugar a Antonoaldo Neves, antigo presidente executivo da companhia brasileira Azul.

A notícia foi avançada pelo Expresso e pela TVI24, que cita um email de despedida enviado por Fernando Pinto aos trabalhadores nesta quinta-feira, a que o PÚBLICO também teve acesso.

Já em relação ao conselho de administração, por parte do Estado, não haverá alterações.

Sobre a proposta dos acionistas da Atlantic Gateway de Antonoaldo Neves tornar-se CEO da TAP, após a aprovação em assembleia-geral no próximo dia 31, Fernando Pinto manifestou o seu entusiasmo e contentamento. Em comum, Pinto e Neves têm a dupla nacionalidade brasileira e portuguesa e também laços familiares a Portugal - Antonoaldo tem antepassados em Oliveira de Azeméis. Já o Antonoaldo, com 42 anos, tem a capacidade de reunir toda a experiência de crescimento da Azul, inclusive negociando a fusão com a Trip, para administrar a companhia aérea portuguesa que passou nos últimos anos por um processo de grande crescimento.

Adiante Fernando Pinto sublinha que a "a TAP é hoje três vezes maior" do que no momento em que iniciou funções "e cresceu muito também nestes dois anos de privatização".

É com grande orgulho que comunico que em breve estarei me afastando da direcção executiva da nossa Empresa.Estes 17 anos na TAP foram a experiência mais enriquecedora da minha carreira. "Não teria conseguido fazê-lo sem cada um de vós, de todos, os que já cá estavam quando cheguei e de todos os que foram entrando e que vi crescer profissionalmente com o passar dos anos, tal como a companhia", diz o gestor brasileiro. O responsável acrescentou ainda que nesses 17 anos, "15 foram de sobrevivência" da companhia e os últimos dois anos, então, "de transição". "O nosso caminho é crescer", afirma ainda Fernando Pinto, acrescentando que irá "acompanhar esse crescimento de perto, uma vez que continuarei ligado à companhia nos próximos dois anos enquanto assessor da TAP". Assim, o meu sentimento hoje é de absoluta realização profissional e pessoal.

"Eu cheguei aqui com uma missão e a minha missão, foi dito no primeiro dia, era privatizar a TAP. De missão cumprida. A empresa está no bom caminho e sinto-me plenamente realizado", exaltou Fernando Pinto no comunicado. É a pessoa certa, e pela qual tenho grande admiração.

Na carta aos trabalhadores, Fernando Pinto indica estar "absolutamente seguro de que, com a liderança de Antonoaldo, a TAP continuará neste incrível processo de crescimento".

"Acredito que devemos todos sentir-nos felizes ao ver aquilo em que a TAP se transformou: numa empresa notável que em 17 anos triplicou o seu tamanho: três vezes mais receitas, três vezes mais passageiros, três vezes mais rotas e três vezes mais aviões". Em 2017, recordou o gestor recentemente, a companhia começou a voar para 11 novos destinos, recebeu oito novos aviões - "um aumento da frota em mais de 10%" -, reforçou a presença em mercados estratégicos, como Espanha e Alemanha, fez a consolidação da ponte aérea Lisboa-Porto, lançou o programa stop-over, que "é um sucesso" e "continua a bater recordes" de tráfego. Em 2016, a receita operacional da transportadora de Neeleman foi de 6,67 mil milhões de euros, o que representou um crescimento de 6,6% em comparação com 2015.

Artigos relacionados