Chefe de gangue japonês identificado por tatuagens é preso na Tailândia

Chefe de gangue japonês identificado por tatuagens é preso na Tailândia

Shigeharu Shirai, de 74 anos, estava na Tailândia desde 2005 e fugido da Justiça há 15 anos.

Pouco depois do assassinato, Shigeharu Shirai desapareceu e refugiou-se na Tailândia, onde se casou.

O segredo de seu paradeiro parecia bem guardado até que um jornal local publicou uma foto de um homem a jogar às damas na rua, magro e com o corpo cheio de tatuagens e sem um dedo mindinho. Por vezes, os membros da Yakuza (um grupo de crime organizado japonês) cortam a ponta de um dedo devido a uma ofensa.

A fotografia foi partilhada pelo menos 10 mil vezes no Facebook até chamar a atenção da polícia japonesa, que pediu a Banguecoque para investigar. "Não confessou o homicídio mas admitiu que a vítima o costumava ameaçar".

Shirai é acusado de matar o chefe de uma facção rival, pelo qual sete membros de sua gangue foram presos com penas entre doze e dezessete anos de cárcere privado. Entrou ilegalmente na Tailândia e agora, será extraditado para o Japão.

O chefe da máfia mais conhecida e temida do mundo manteve um perfil baixo durante toda sua permanência na Tailândia, segundo a polícia, recebendo dinheiro duas ou três vezes por ano de um japonês visitante.

Artigos relacionados