Taxa de juros cai a 7%, mas economia ainda patina

Taxa de juros cai a 7%, mas economia ainda patina

"Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, e em razão do estágio do ciclo de flexibilização, o Comitê vê, neste momento, como adequada uma nova redução moderada na magnitude de flexibilização monetária" informou o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC. "Para frente, o Comitê entende que o atual estágio do ciclo recomenda cautela na condução da política monetária". Apesar do corte, o Banco Central está afrouxando menos a política monetária. O ritmo de corte caiu para 0,75 ponto em outubro e para 0,5 ponto na reunião de hoje. Neste ano, até setembro, a expansão é de 0,6%. O menor patamar até então foi 7,25% visto em outubro de 2012.

Ainda em dezembro, no dia 21, o BC atualiza e detalha suas projeções de inflação com a divulgação do Relatório de Inflação (RI) do quarto trimestre.

"A gente acredita que a taxa não vai cair além dos 6,75 por cento, estamos mais otimistas com a atividade econômica do que o mercado. Se continuarmos tendo surpresas do lado inflacionário, ele pode seguir reduzindo", disse Molon.

Pesquisa feita pelo Valor com 39 economistas mostrou 37 deles trabalhando com redução de meio ponto percentual, para 7% ao ano, o que marcaria nova mínima história nominal para a Selic. Nesse caso, o recuo nos preços quer dizer que algo vai mal com a economia. Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2017 e 2018 em 7,0% e 2019 em 8,0%.

Num comunicado com poucas mudanças em relação ao anterior, o BC apontou que "o cenário básico para a inflação tem evoluído, em boa medida, conforme o esperado". Nos últimos 12 meses, o IPCA _ índice usado no sistema de metas do governo _ está em 2,7%. No caso de 2018, a expectativa foi de 4,3% para 4,2% e, para 2019, permaneceu em 4,2%.

Artigos relacionados