Relator conclui voto sobre condenação de Lula em segunda instância

Relator conclui voto sobre condenação de Lula em segunda instância

O desembargador João Paulo Gebran, amigo e admirador de Sérgio Moro, acelerou as "providências" para ser o "grande eleitor" de 2018 e deixou vazar para a imprensa que concluiu seu voto - cujo conteúdo é fácil de adivinhar - sobre o recurso de Lula contra a sentença de Sérgio Moro no estranho caso do triplex que "é", mas não é nem nunca foi, do ex-presidente.

A conclusão do voto do relator se deu exatamente cem dias após a ação chegar ao TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região. O processo tem caminhado com celeridade.

Segundo a Corte Federal, o revisor fará o mesmo trabalho: analisará todo processo para elaborar seu voto.

Os desembargadores da 8ª turma do TRF4, que julgam as ações da operação Lava Jato em segunda instância, são conhecidos por serem mais duros que Moro na revisão das penas. Somente depois disso será marcada a data do julgamento da apelação. Pelos trâmites internos, Paulsen irá vistoriar o voto do relator, preparar seu próprio voto e encaminhar ambos para o terceiro membro do colegiado, Victor Luis dos Santos Laus.

Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro em julho deste ano a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP). O petista não foi preso -só poderá cumprir pena caso o TRF-4 ratifique a decisão.

A defesa de Lula vem se manifestado sobre a condenação.

O valor, segundo a Procuradoria, se referia à cessão pela OAS do apartamento ao ex-presidente, a reformas feitas pela construtora nesse imóvel e ao transporte e armazenamento de seu acervo presidencial.

Artigos relacionados