Petrobras reajusta GLP residencial em 8,9%

Petrobras reajusta GLP residencial em 8,9%

O reajuste do gás de cozinha entra em vigor à 0h desta terça-feira (5). Para se ter uma ideia, um levantamento realizado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) mostrou que o valor médio de um botijão estava em R$ 55,74 na primeira semana de janeiro. De acordo com publicação da Folha de São Paulo, desde que a estatal iniciou sua política de reajustes, em agosto, já é contabilizado acumulo 67,8% no preço do gás. A Petrobras justificou esse acréscimo no preço com a desculpa de que está muito alta a cotação internacional do petróleo.

De acordo com o Sindicato das Empresas Distribuidoras de GLP (Sindigás), o preço praticado pela estatal está hoje 1,3% abaixo das cotações internacionais do produto.

Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. "Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores", afirmou a Petrobras.

O ajuste anunciado, no entanto, foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. "No entanto, a Petrobras destaca que, se esse reajuste nas refinarias for integralmente repassado aos preços ao consumidor, estima que o preço do botijão de GLP P-13 pode ser reajustado, em média, em 4,0% ou cerca de R$ 2,53 por botijão", isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos".

Para o produto vendido em vasilhames maiores ou a granel, mais usado por consumidores comerciais ou industriais, houve aumento de 5,3% na semana passada.

Com o novo reajuste de preços do GLP residencial, os preços da companhia estão se aproximando das cotações internacionais.

Artigos relacionados