Personalidade do ano da Time são vítimas de assédio sexual

Personalidade do ano da Time são vítimas de assédio sexual

Para a capa da revista, os editores escolheram diversos artistas - como a cantora Taylor Swift e a atriz Ashley Judd - como símbolo das denúncias.

"Esta é a mudança social mais rápida que vimos em décadas, e começou com atos individuais de coragem por centenas de mulheres - e também alguns homens - que se apresentaram para contar suas próprias histórias", afirmou à NBC, o editor-chefe da revista, Edward Felsenthal. "As redes sociais agiram como um acelerador poderoso: a hashtag #MeToo já foi usada milhões de vezes em pelo menos 85 países". Virou uma hashtag, um movimento, um acerto de contas. "Mas agora têm uma voz", justifica a revista. Desde então, quase todos os dias uma personalidade é acusada de assédio ou abuso sexual. Muitos foram demitidos ou suspensos.

Os homens poderosos do entretenimento, meios de comunicação, cultura e política são os mais visados, mas as vítimas são de todos os setores, ressalta a Time.

TRUMP Muitas foram as estrelas que caíram nas últimas semanas.

Entre os acusados de assédio e abusos sexuais, mas também de má conduta sexual, estão atores como Kevin Spacey e Dustin Hoffman, o ex-presidente da Amazon Studios Roy Price, os realizadores Brett Ratner e James Toback, os jornalistas Charlie Rose, Glenn Thrush e Matt Lauer, o fotógrafo Terry Richardson e o comediante norte-americano Louis C.K.

O movimento das mulheres que denunciaram o assédio foi escolhido porque, segundo a 'Time', é um estímulo à consciencialização de um problema, pelos vistos transversal a diversas sociedades, que se mantinha na penumbra e que importa conhecer, nomeadamente em termos do alcance que atingiu. Várias delas revelaram acordos entre advogados para que os crimes não vazassem.

Weinstein nega as acusações por meio de seus advogados e atualmente não enfrenta qualquer acusação, apesar de investigações criminais terem sido abertas em Nova York, Los Angeles e Londres.

Roy Moore, o candidato republicano a senador pelo Estado do Alabama, nos EUA, foi denunciado por assédio sexual de menores, mas mantém a candidatura, com apoio público do presidente Donald Trump, embora o Partido Republicano já tenha pedido a sua renúncia às eleições de 12 de dezembro.

"Eu nunca poderia ter imaginado algo que iria mudar o mundo". O presidente chinês Xi Jinping chegou em terceiro.

Artigos relacionados