Indústria cresce 5,3% em outubro e tem a maior alta desde 2013

Indústria cresce 5,3% em outubro e tem a maior alta desde 2013

A produção industrial brasileira fechou o mês de outubro com crescimento de 0,2% frente setembro, no reajuste sazonal.

O resultado do mês de outubro ficou praticamente em linha com a média das estimativas de 18 instituições financeiras e consultorias ouvidas pelo Valor Data, que previam alta de 0,3%.

A produção industrial avançou apenas 0,2% em outubro, pelas contas do IBGE. Acompanhe na reportagem de Ícaro Matos. Já o acumulado nos últimos doze meses avançou 1,5%.

Já entre os bens intermediários, houve queda de 0,8% de setembro para outubro, mas foi registrado aumento de 3,1% no confronto com um ano antes.

Com o resultado de outubro, a indústria tem alta acumulada em 2017 de 1,9%, em comparação com primeiros dez meses do ano passado. É o segundo mês consecutivo de variação positiva. A categoria bens de capital teve crescimento de 1,1% e manteve o comportamento positivo iniciado em abril, período em que acumulou alta de 11,6%.

Em relação aos bens duráveis, a pesquisa indicou queda de 2% em outubro.

Entre os nove ramos que reduziram a produção no mês, os produtos alimentícios (-5,7%) foram os que mais impactaram negativamente a alta da indústria. A produção havia crescido 0,3% em setembro (dado revisado), após queda de 0,8% um mês antes.

Ramos de atividades O avanço de 15 dos 24 ramos de atividades pesquisados tem como destaque as influências positivas verificadas em farmoquímicos e farmacêuticos, que chegou a crescer 20,3%; e bebidas, com 4,8%. "As empresas oscilam entre importação de insumos e fabricação de produtos prontos", relativizou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Também contribuíram positivamente a confecção de artigos de vestuário e acessórios (4,3%), a metalurgia (1,6%), as máquinas e equipamentos (1,3%) e os artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (3,8%).

Artigos relacionados