Governos brasileiro e boliviano assinam acordos nas áreas de segurança e transportes

Governos brasileiro e boliviano assinam acordos nas áreas de segurança e transportes

Michel Temer se encontra, nesta terça-feira (5), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), com o presidente da Bolívia, Evo Morales, após dois adiamentos, em decorrência das cirurgias feitas pelo peemedebista, nas últimas semanas.

Os planos de desenvolver ferrovias para que o Brasil exporte para a Ásia por portos peruanos no oceano Pacífico - já que a Bolívia não tem fronteira marinha - são anseios antigos, que nunca conseguiram ser concretizados. O objetivo é estabelecer compromissos de cooperação policial para fortalecer a prevenção e a luta contra quaisquer manifestações criminosas, como terrorismo, tráfico de pessoas, de entorpecentes, de armas de fogo, além de roubo de veículos, lavagem de dinheiro, crimes cibernéticos e delitos comuns de fronteira.

Antes da assinatura dos acordos, Temer e Morales reuniram-se com ministros do Brasil e da Bolívia.

O primeiro pacto, um memorando de entendimento, foi assinado pelo ministro dos Transportes, Maurício Quintella, e o ministro boliviano de Obras Públicas, Milton Claros Hinojosa, a fim de melhorar o tráfego ferroviário entre os dois países sul-americanos. O presidente boliviano vem ao Brasil também com interesses comerciais relacionados à venda de gás natural.

A reunião entre Temer e Morales tinha sido adiada duas vezes por problemas de saúde do mandatário brasileiro.

No ano passado, quando do impeachment de Dilma Rousseff, Evo Morales fez críticas ao Brasil, chamando o processo de afastamento da então presidente de golpe parlamentar.

O Brasil é o maior parceiro comercial da Bolívia e o destino de 19% das exportações bolivianas, o que o torna o principal mercado de destino para a produção desse país. Atualmente, a importação do produto pelo Brasil está em queda, o que tem afetado a economia boliviana.

Em 2016, o intercâmbio bilateral alcançou US$ 2,8 bilhões.

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Artigos relacionados