Governo quer votar reforma da Previdência semana que vem

Governo quer votar reforma da Previdência semana que vem

Durante jantar neste domingo (3) na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Temer não citou nominalmente o empresário Joesley Batista, chamado por ele de "desajustado da iniciativa privada", mas afirmou que a reforma estava bem encaminhada quando aconteceu "aquilo", em referência à delação dos executivos do grupo J&F que resultou em duas denúncias contra ele.

Para aprovar a Reforma, por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição, o presidente precisa de ao menos 308 dos 513 votos da Câmara dos Deputados. Segundo o presidente da Câmara ainda não é possível saber se a votação ocorrerá ou não este ano, como desejava o Palácio do Planalto.

Durante a reunião, o presidente Temer pediu apoio aos presidentes e lideranças partidárias para aprovação da reforma em análise na Câmara dos Deputados. Goldman deve entregar a presidência do partido no próximo dia 9 ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que vai concorrer à Presidência da República em 2018.

"Nós vamos trabalhar pra ter os votos".

Segundo o presidente da Câmara, os presidentes e líderes partidários tiveram a oportunidade de falar sobre a votação e alguns chegaram a levantar a possibilidade de fechar questão a favor da aprovação da matéria.

De acordo com o deputado Rodrigo Maia, já há um ambiente das principais lideranças e presidências dos partidos da base sobre a importância e urgência de votar a reforma.

Entre os presidentes de partidos, são aguardados no encontro os dirigentes do PMDB, PP, PSD, DEM, PRB, PTB, Solidariedade e PSC. "Acho que a gente conseguiu organizar a base para esta semana construir as condições de votar a reforma da Previdência", afirmou. Para a proposta passar no plenário da Casa, são necessários 308 votos.

Artigos relacionados