Folha Explica prováveis causas do sumiço do submarino argentino

Folha Explica prováveis causas do sumiço do submarino argentino

A Marinha Argentina descartou que o sinal detectado por sonar a 477 metros seja do submarino AR San Juan, depois de inspeção realizada por um robô russo, neste sábado (2), informa a agência EFE.

Apesar de não considerar possível encontrar sobreviventes, o governo se comprometeu com os parentes dos tripulantes a continuar as buscas. O ministro alega que uma denúncia que apontava anomalias no processo foi arquivada sem investigação. "O que eu posso comprovar é que o navio tinha que ser consertado em dois anos e demorou cinco", disse o ministro de Defesa, Oscar Aguad, em entrevista à emissora TN.

Pela primeira vez, o governo argentino reconheceu que os 44 tripulantes do submarino ARA San Juan, que desapareceu no dia 15 de novembro, "estão todos mortos".

Questionado se o submarino estava em perfeito estado no dia 13 de novembro quando deixou o porto austral de Ushuaia para sua base da cidade de Mar del Plata, quando desapareceu, Aguad respondeu que "as evidências dizem que sim". "É um compromisso que o presidente (Mauricio Macri) assumiu com todas as famílias e vamos cumprir", frisou Aguad.

"A corrupção tem que ver com os preços inflacionados, mas os trabalhos foram feitos". Para aumentar a vida útil do submarino, em 2011, a então presidente Cristina Kirchner autorizou reformas no San Juan para prolongar por mais 30 anos.

No entanto, ele afirmou que um dos aspectos que deveriam ser investigado pela Justiça é se houve erros por parte da Marinha quando na noite anterior relatou sua localização pela última vez, o comandante do submarino alertou a seus superiores em terra que tinha entrado água através de um canal de ventilação, que vazou no compartimento das baterias elétricas e produziu um início de incêndio.

"Com a diferença de que nesse caso a água não chegou às baterias", sublinhou, para explicar que o comandante "deu conta" do problema e pediu que essa questão fosse resolvida quando o submarino fosse submetido a reparações no primeiro semestre de 2018. Determinar se a avaria era ou não grave.

"O que terá acontecido com esse submarino?".

Na passada semana, a Marinha informou que as buscas iam prosseguir.

Artigos relacionados