Facebook e outras redes sociais estão a destruir a sociedade

Facebook e outras redes sociais estão a destruir a sociedade

O antigo vice-presidente do Facebook está "extremamente arrependido" pela sua contribuição para o crescimento do número de utilizadores desta rede social.

Nenhuma cooperação; desinformação, mentiras. "É um problema global", apontou.

Relativamente ao uso das redes sociais, Palihapitiya revela que "não usa essa 'm...'e não deixa que os filhos as usem também". Ele também recomendou que os presentes no auditório dessem um tempo da plataforma para sua própria saúde.

Para citar um exemplo disso, Palihapitiya mencionou um boato falso espalhado através do WhatsApp na Índia sobre um suposto sequestro, em que sete pessoas inocentes acabaram sendo linchadas. "É uma coisa simplesmente terrível".

Chamath Palihapitiya trabalhou para o Facebook em 2007, tendo chegado a um cargo de topo na empresa, explicando que sente uma "culpa tremenda" por ter criado uma máquina que "explora vulnerabilidades na psique humana". A resposta da companhia de Mark Zuckerberg, entretanto, não é o que você poderia esperar de uma grande corporação: ela não desmente completamente o que o ex-funcionário falou e afirma que as coisas estão mudando.

"Palihapitiya saiu do Facebook há mais de seis anos". Quando ele estava na empresa, nosso foco era construir uma nova experiência em mídia social e em fazer o Facebook crescer ao redor do mundo. O Facebook era uma empresa muito diferente naquela época, e, ao passo que crescemos, percebemos como nossas responsabilidades cresceram junto.

Nós levamos nosso papel muito a sério e estamos trabalhando duro para melhorar. Fizemos muita pesquisa com especialistas externos e acadêmicos para entender os efeitos do nosso serviço no bem-estar, e estamos usando isso para informar nosso desenvolvimento de produtos. Cada vez mais as empresas de tecnologia estão investindo nesse sentido para atrair mais usuários.

Abaixo pode ver o vídeo destas declarações de Chamath Palihapitiya. A rede é ainda acusada de ter ampliado propaganda anti-Rohingya.

Artigos relacionados