Vídeos usados por Trump para culpar muçulmanos têm contexto falso

Vídeos usados por Trump para culpar muçulmanos têm contexto falso

Os vídeos, cuja autenticidade o jornal britânico "The Independent" não conseguiu confirmar, tiveram, até ao momento, milhares de reacções e foram partilhados quase cinco mil vezes.

As publicações de Donald Trump, no Twitter, podem colocar em risco as relações diplomáticas entre os Estados Unidos da América e um dos mais importantes aliados, o Reino Unido. A primeira-ministra britânica, Theresa May, repudiou a atitude do presidente americano.

O grupo celebrou publicamente o compartilhamento dos vídeos, que mostrava principalmente violência entre os imigrantes.

Um dos vídeos mostra um rapaz a ser empurrado de um telhado; outro mostra um jovem de muletas, supostamente holandês, a ser espancado; e o terceiro exibe um homem a destruir uma estátua da Virgem Maria.

Os três vídeos foram originalmente postados por Jayda Fransen, vice-líder do movimento ultranacionalista britânico Britain First.

O ministro das Comunidades, Sajid Javid, condenou o facto de o presidente norte-americano ter endossado uma organização racista que odeia pessoas como ele.

"Os britânicos rejeitam unanimemente a retórica tendenciosa da extrema-direita, que é a antítese dos valores que este país representa: decência, tolerância e respeito".

Como candidato, Trump defendeu "um veto muçulmano" e, como presidente, emitiu ordens executivas proibindo a entrada de cidadãos de alguns países de maioria islâmica, embora a Justiça tenha parcialmente bloqueado sua entrada em vigor.

Artigos relacionados