Trump exibe em Manila cumplicidade com Duterte

Trump exibe em Manila cumplicidade com Duterte

Com alta popularidade no país, Duterte defende seu estilo franco e, em uma reunião com a comunidade filipina, contou que, aos 16 anos, matou uma pessoa a facadas em uma "briga".

O presidente americano, Donald Trump, chegou às Filipinas neste domingo (12/11), procedente do Vietnã, para participar da cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), última etapa de uma viagem asiática de 12 dias. Ele falou ironicamente que cantou "por ordem do comandante-em-chefe dos EUA".

Sentados lado a lado, Trump, de 71, e Duterte, de 72, apareceram muito descontraídos, brincando no início de sua primeira reunião.

"Senhoras e senhores! Cantei por ordem do comandante-em-chefe dos EUA", disse Duterte depois de finalizar a canção popular Ikaw (Você, em tagalo).

Os EUA e as Filipinas, uma ex-colônia norte-americana, são aliados estratégicos desde a Segunda Guerra Mundial, mas sua relação se tornou tensa devido aos rompantes anti-EUA de Duterte e seu entusiasmo por laços melhores com a Rússia e a China.

Em contrapartida, Trump não respondeu ao ser questionado sobre o tema dos direitos humanos. "E a conferência da Asean foi lindamente organizada pelo presidente das Filipinas". "É uma reunião bilateral".

Mais tarde, um porta-voz do governo filipino disse que os direitos humanos não foram abordados, mas a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, afirmou que o tópico foi mencionado de passagem.

"A conversa se concentrou no Estado Islâmico, drogas ilegais e comércio".

Mais de 3.900 pessoas já morreram na guerra às drogas que Duterte declarou quando tomou posse no ano passado.

"O terrorismo e o extremismo põem em perigo a paz, a estabilidade e a segurança da nossa região, pois essas ameaças não conhecem fronteiras", alegou Duterte hoje, em seu discurso de abertura da cúpula.

Artigos relacionados