Número de nascimentos no Brasil cai pela primeira vez desde 2010

Número de nascimentos no Brasil cai pela primeira vez desde 2010

Os dados são do estudo Registro Civil, divulgado nesta terça-feira (14) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Já a guarda compartilhada aumentou de 12,9% em 2015 para 16,9% em 2016.

Já o número de casamentos no país caiu 3,7% no ano passado, segundo o IBGE. Foram 1.090.181 casamentos, sendo a maior concentração no Sudeste, que teve 536.093 uniões, e a menor no Norte, com 81.498. "Em 2016, os números da economia não foram muitos bons e isso pode ter influenciado o número de casamentos, já que casar legalmente é caro, tem taxas", analisa.

Apesar do país já ter registrado queda no número de nascimentos em anos anteriores, o percentual de 2016 ficou bem acima.

Entre os estados, apenas Roraima registrou aumento no número de nascidos entre 2015 e 2016, de 3,9%.

Segundo o órgão, as pesquisas sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo são realizadas desde 2013 devido a aprovação da Resolução nº 175 do Conselho Nacional de Justiça, que possibilitou o levantamento das informações.

Há 40 anos, a diferença era de 4,6 vezes. As uniões entre pessoas de sexos diferentes caíram 3,7%, enquanto as entre pessoas do mesmo sexo recuaram 4,6%, representando 0,49% do total de casamentos registrados, revertendo tendência verificada no ano anterior. A duração média de um casamento no Brasil, levando em conta o tempo entre a data do casamento e a data da sentença ou escritura do divórcio, é de 15 anos.

Do total de casamentos realizados entre pessoas do mesmo sexo no ano passado, 89 foram realizados em Goiânia, sendo 45 casamentos entre homens e 44 entre mulheres.

Segundo o IBGE, é maior proporção dos divórcios ocorreu em famílias constituídas somente com filhos menores de idade (47,5%) e em famílias sem filhos (27,2%).

A guarda dos filhos menores segue predominantemente com a mãe, mas a fatia caiu de 78,8% em 2015 para 74,4% em 2016.

Em 2016, um homem de 20 anos tinha onze vezes mais chance de não completar os 25 anos do que uma mulher, segundo o IBGE.

Segundo o IBGE, também houve um aumento significativo no número de óbitos nos últimos dez anos.

No país inteiro em 2016 houve redução nos matrimônios em relação a 2015, com queda de 3,69%. "Enquanto nas idades iniciais os declínios foram significativos, foram observados aumentos importantes para as idades acima de 50 anos, fruto do envelhecimento populacional", destaca o IBGE.

Artigos relacionados