Juiz que pediu bilhetes ao Benfica demitiu-se do TAD

Miguel Lucas Pires renunciou ao cargo de árbitro no Tribunal Arbitral do Desporto (TAD). O pedido chegou através do antigo dirigente Fernando Seara, mas teriam como destino final Miguel Lucas Pires.

O Estatuto Deontológico do Tribunal Arbitral do Desporto defende que "durante e depois de concluída a arbitragem, nenhum árbitro deve aceitar oferta ou favor proveniente de qualquer das partes, salvo se corresponder aos usos sociais aceitáveis no domínio da arbitragem", mas o árbitro do TAD recusa qualquer infração.

Ontem, numa primeira reação, o então ainda árbitro do TAD lembrou que conhece o ex-autarca de Sintra "há décadas" e, "à data em que foram solicitados os convites em causa, o prof. Fernando Seara, ao que julgo saber, não exercia qualquer cargo na estrutura directiva do Benfica", afirmou, à Sábado.

Esta quinta-feira, Miguel Lucas Pires voltou a enviar um esclarecimento à Sábado, dizendo que não há "qualquer evidência de violação das regras deontológicas impostas aos árbitros do TAD".

"Notícias como esta inevitavelmente minam definitivamente a minha credibilidade e imagem de isenção e imparcialidade, não apenas junto da opinião pública, mas igualmente e sobretudo junto das entidades e sujeitos que recorrem ao TAD (.)", concretizou Lucas Pires.

Artigos relacionados