Japão pede extensão de 30 dias para investigação sobre armas químicas

Japão pede extensão de 30 dias para investigação sobre armas químicas

Os Estados Unidos e a Rússia elaboraram dois projetos de resolução conflituantes sobre a extensão do grupo de especialistas internacionais, concordando apenas num ponto, que é a renovação por um ano.

Estados Unidos e Rússia demandaram duas votações nesta quinta-feira no Conselho de Segurança para prolongar o mandato dos investigadores da ONU e do Mecanismo Conjunto de Investigação (JIM, na sigla em inglês) sobre o uso de armas químicas na Síria, informaram fontes diplomáticas.

Só quatro nações votaram favoravelmente a proposta, submetida pela Bolívia, mas eram precisos nove para que passasse.

Foi o segundo veto da Rússia em 24 horas de uma resolução para estender o JIM, e o 11.º em relação a uma resolução do Conselho de Segurança sobre a Síria, país do qual Moscovo é um aliado próximo.

"A mensagem que este veto passa é clara: a Rússia aceita o uso de armas químicas na Síria", afirmou Nikki Haley, embaixadora norte-americana na ONU, citada pelo jornal. Para ser aprovada na ONU, uma resolução deve receber pelo menos nove votos e não ser objeto de veto por nenhum dos cinco membros permanentes do Conselho: Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido.

O texto russo exigiu uma revisão da missão do grupo e um congelamento do seu último relatório, que responsabilizava o regime de Bashar al-Assad pelo ataque com gás sarin cometido em abril, em que morreram cerca de 100 pessoas.

Antes da votação, o Presidente dos EUA, Donald Trump, escrevera no Twitter que o Conselho de Segurança deveria renovar o mandato do grupo de investigação, de modo a "assegurar que o regime de Assad nunca mais possa cometer assassínios em massa com armas químicas".

Artigos relacionados