IPhone X montado com mão-de-obra estudantil ilegal

IPhone X montado com mão-de-obra estudantil ilegal

Ela falou que montava cerca de 1.200 câmeras de iPhones X por dia.

Informações reportadas referem que adolescentes de uma escola foram deixados a trabalhar na Foxconn horas a mais, de forma ilegal.

Ao Financial Times seis adolescentes, com idades compreendidas entres os 17 e os 19 anos, contaram que chegaram a trabalhar onze horas consecutivas na fábrica de Zhenghou, China. Mas a Apple e a Foxconn reconheceram que os casos de horas extraordinárias ilegais ocorreram e que eles estão tomar medidas para resolver a situação. Confirmamos que os alunos trabalharam voluntariamente, foram compensados e proporcionaram benefícios, mas não deveriam ter permissão para trabalhar horas extra. Entretanto, eles admitiram que alguns estudantes trabalharam horas extras e estão criando medidas para que isso não mais aconteça em oportunidades futuras.

Nessa instalação, os programas de estágio interno são de curto prazo e representam uma percentagem muito pequena da força de trabalho.

Uma equipa de especialistas está nas instalações a trabalhar com a gestão da empresa para garantir que os padrões apropriados são cumpridos. Seis estudantes procuraram o jornal e denunciaram jornadas de trabalho de até 11 horas por dia, que teriam sido impostas por sua escola - Zhengzhou Urban Rail Transit School.

Tanto a Apple quanto a Foxconn negaram as acusações feitas pelos estagiários, alegando que eles jamais foram forçados a trabalhar além dos limites especificados pela legislação local. "O trabalho não tem nada que ver com o que estudamos".

A Foxconn refere que seu programa de estágio envolveu cooperação "com governos locais e uma série de escolas vocacionais".

A Apple admitiu ter mantido estagiários a trabalhar mais horas que o legalmente permitido nas suas linhas de montagem do iPhone X, confirmando uma notícia publicada no Finantial Times.

A Apple e a Foxconn continuam a fazer esforços para melhorar as condições de trabalho e os relatórios internos da Apple revelam que as condições melhoraram significativamente desde 2012, altura de grandes tumultos.

Artigos relacionados