Hamilton aparece em 'Paradise Papers' por compra de jatinho

Hamilton aparece em 'Paradise Papers' por compra de jatinho

Campeão antecipado da Fórmula 1 em 2017, Lewis Hamilton vive a melhor fase de sua carreira dentro das pistas.

De acordo com os documentos, Hamilton teria evitado pagar 3,3 milhões de libras (cerca de R$ 14,2 milhões) na compra da aeronave modelo Bombardier CL605 Challenger, que é avaliada em 16,5 milhões de libras (cerca de R$ 71 milhões).

As manobras foram feitas na importação do jatinho desde o Canadá, onde foi adquirido - ele, na prática, ficou no nome de uma empresa das Ilhas Virgens Britânicas, que o alugou a uma firma situada na Ilha de Man e que, assim, alugou a uma empresa de Hamilton. Uma das condições: o novo jato do tetracampeão britânico teria de fazer durante o voo inaugural uma paragem na Ilha de Man, dependência da Coroa britânica no mar da Irlanda, até janeiro deste ano na lista portuguesa de paraísos fiscais. "Como um esportista global que paga impostos em um grande número de países, Lewis confia em uma equipe de consultores profissionais que administram seus negócios".

"Esses consultores garantiram a Lewis que tudo foi feito de maneira correta, de modo que este assunto, agora, está nas mãos de seus advogados".

Embora ter um investimento em uma empresa offshore não seja considerado crime, é necessário que o proprietário ainda declare tudo ao fisco de seu país de origem.

A investigação dos Paradise Papers também já envolveu vários políticos, empresas, celebridades como Bono Vox e Madonna e até mesmo a Rainha da Inglaterra, Elizabeth II.

Artigos relacionados