Delegado diz que apenas perícia pode comprovar agressão a Garotinho

Delegado diz que apenas perícia pode comprovar agressão a Garotinho

O sub-diretor da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte, Fábio Ferraz Sodré, e quatro agentes penitenciários prestaram depoimento, e disseram ser "quase impossível" que o ex-governador Anthony Garotinho (PR) tenha sido agredido na cela.

Nesta terça-feira (28), o procurador-geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, encaminhou ofício ao secretário de Estado de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro, requisitando imagens de vídeo gravadas pelas câmeras instaladas na galeria B da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica.

- Os depoimentos dos servidores foram convincentes, e divergentes do depoimento do preso.

"Eles garantiram que é quase impossível alguém invadir a cadeia e chegar ao 2 andar sem ser visto". Vou ouvir todo mundo que estava de plantão, como os três servidores da portaria.

Segundo Wellington Vieira, nenhuma hipótese deve ser descartada e somente a perícia realizada no sistema de câmeras poderá concluir a existência da agressão contra o ex-governador. Segundo o ex-governador, a agressão teria sido causada em retaliação das denúncias feitas por ele sobre irregularidades em órgãos dos estado, inclusive a Seap. Não foi possível fazer um retrato falado do suposto agressor de Garotinho porque houve um problema nos computadores da Secretaria de Administração Penitenciária. Em Bangu 8, Garotinho está isolado em uma cela monitorada por uma câmera 24 horas por dia. Ele alega que um homem invadiu a sua cela, lhe bateu no joelho com um bastão e pisou em seu pé direito. A investigação tem como base declarações do ex-governador de que teria sofrido agressões na madrugada de quarta-feira (22) para quinta-feira (23) da semana passada. E as imagens das câmeras de segurança da unidade não registraram a presença de qualquer pessoa ou estranhos que pudesse comprovar a agressão relatada pelo ex-governador.

Artigos relacionados