Caixa Econômica amplia recursos do Minha Casa Minha Vida

Caixa Econômica amplia recursos do Minha Casa Minha Vida

Uma das estratégias da Caixa Econômica foi tomar esta atitude a fim de dar prioridade para conceder crédito imobiliário à população que possui uma renda menor.

Além disso, a Caixa Econômica tomou uma série de ações para restringir o acesso aos financiamentos da casa própria, como reduzir para 50% o limite de financiamento de imóveis usados; adoção de limites mensais na liberação do crédito imobiliário. Com essa suplementação, a Caixa diz que terá recursos suficientes para normalizar o ritmo de contratações do programa Minha Casa, Minha Vida para famílias com renda familiar bruta mensal de até R$ 4 mil.

De acordo com a Caixa Econômica, as faixas 1,5 e 2, as quais possuem os benefícios com os novos recursos que foram liberados, ocupam 86% de todos os financiamentos do programa. A verba é destinada para famílias com renda mensal entre R$ 1,8 mil e R$ 4 mil financiarem a casa própria. Havia queixas de clientes de que os contratos de crédito habitacional, mesmo com carta de financiamento aprovada, estavam parados devido à falta de recursos. "Priorizamos imóvel novo para gerar emprego e renda". A nova medida vem depois da Caixa ter anunciado diversas restrições ao crédito, como a regra, em vigor desde 25 de setembro, para a redução do limite financiado para imóveis usados de até 70% para 50%.

O Ministério das cidades anunciou nesta segunda-feira (6) a autorização para contratar 54 mil novas unidades habitacionais pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Também foi o único banco que não reduziu os juros, apesar dos cortes da taxa Selic. O banco tenta transformar a dívida de R$ 10 bilhões que tem com o FGTS em capital, tornando o Fundo proprietário de uma parte da estatal.

Artigos relacionados