Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por declarações contra gays

Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por declarações contra gays

Jair Bolsonaro foi condenado em segunda instância a pagar R$ 150 mil pelo que a Justiça considerou dano moral coletivo à população LGBT, informa o Radar. Na ocasião, ele disse que nunca passou pela sua cabeça ter um filho gay porque seus filhos tiveram uma "boa educação", com um pai presente, e que não participaria de um desfile gay porque não promoveria "maus costumes" e porque acredita em Deus e na preservação da família.

- Não corro esse risco - garantiu Bolsonaro, em março de 2011.

Bolsonaro ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal. Em resposta à polêmica que sua fala gerou, Bolsonaro alegou não ser contra os homossexuais, mas que suas declarações faziam parte de uma crítica ao chamado "Kit gay", cartilha informativa que seria distribuída nas escolas, com menções sobre gênero, sexualidade e prevenções de gravidez na adolescência e DST. Na decisão, ela relatou que "não se pode deliberadamente agredir e humilhar, ignorando-se os princípios da igualdade e isonomia, com base na invocação à liberdade de expressão". O réu praticou ilícito civil em cristalino abuso ao seu direito de liberdade de expressão”, afirmou a juíza. A mensagem foi publicada pelo site "O Antagonista".

Nos últimos dias, o deputado tem sido questionado sobre os seus conhecimentos econômicos após um trecho de uma entrevista no programa da jornalista Mariana Godoy, na RedeTV!, viralizar nas redes sociais.

O movimento de Bolsonaro vai em linha com a divulgação nesta semana do economista Adolfo Sachsida como um dos contribuintes para o programa econômico do presidenciável.

"Afirmamos que, absolutamente, todas as propostas serão pautadas pelo respeito aos contratos, respeito às leis e pelo total respeito à Constituição Brasileira", diz Bolsonaro na carta.

Artigos relacionados