Temer abre 72ª Assembleia-Geral da ONU

Temer abre 72ª Assembleia-Geral da ONU

Aproveitando sua estadia de cerca de 48 horas na cidade, Temer terá um jantar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e falará com investidores.

Temer viajou para os Estados Unidos, onde fará, na terça-feira (19) o discurso de abertura da 72ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). "Retomamos o bom caminho e nesse caminho persistiremos", completou.

"A ONU deve se concentrar mais nas pessoas e menos na burocracia", e buscar, sobretudo, "resultados", destacou.

Image caption Um dia antes de discursar na ONU, Michel Temer participa de jantar oferecido por Donald Trump em Nova York. O novo Brasil que está surgindo das reformas é um país mais aberto ao mundo. Estamos resgatando o equilíbrio fiscal e, com ele, a credibilidade da economia. "Recobramos a capacidade do Estado de levar adiante políticas sociais indispensáveis em um país como o nosso", acrescentou. "É urgente definir encaminhamento pacífico para situação cujas consequências são imponderáveis", deixou claro.

Ele destacou a "grave ameaça" dos recentes testes nucleares da Coreia do Norte, ressaltando que "o Brasil condena, com veemência, esses atos".

Trump já afirmou mais de uma vez que pode tomar medidas duras contra a Venezuela -inclusive ação militar.

Embora os líderes latino-americanos tenham aumentado a pressão sobre Maduro para libertar prisioneiros políticos e realizar eleições gerais, é improvável que aceitem sanções econômicas unilaterais mais duras, defendidas pelo presidente dos EUA. "Trabalhamos por uma América do Sul próspera e democrática". Também estão previstas reuniões com líderes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com empresários e investidores, e com o presidente do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab.

Na contramão do que Michel Temer e António Guterres haviam dito minutos antes em seus discursos, defendendo o multilateralismo, Trump afirmou reiteradas vezes a importância da afirmação de nações fortes e soberanas. Na sua agenda, ainda estão previstas reuniões com o presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, e com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

"A situação dos direitos humanos na Venezuela continua a deteriorar-se", afirmou Temer, o primeiro presidente a se pronunciar, como é tradição no maior encontro diplomático do planeta.

Imediatamente antes da abertura do debate geral, às 09:00 locais (14:00 em Lisboa), caberá ao secretário-geral da ONU, António Guterres, apresentar o seu relatório anual, apesar de ainda não ocupar o cargo há um ano.

Sobre o combate ao Estado Islâmico, Trump frisou que em oito meses seu governo fez mais do que a administração anterior em muitos anos.

Artigos relacionados