Joesley e Saud chegam a Brasília, onde ficarão presos

Joesley e Saud chegam a Brasília, onde ficarão presos

Joesley e Saud se entregaram à PF, em São Paulo, na tarde de domingo, 10, onde passaram a noite.

SÃO PAULO E BRASÍLIA - (Atualizada às 17h11) O avião trazendo o empresário Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud, da JBS, pousou às 15h26 desta segunda-feira em Brasília.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou pedido de Janot e suspendeu os benefícios dos delatores em despacho na última sexta-feira, 8.

"Em todos os processos de colaboração, os colaboradores entregam os anexos e as provas à Procuradoria e depois são chamados a depor".

De acordo com Rodrigo Janot, um áudio de quatro horas de uma conversa dos executivos da J&F, que mencionavam o ex-procurador da República Marcelo Miller, aponta que eles omitiram informações da Procuradoria-Geral da República durante as negociações do acordo de delação premiada.

Chamada de Operação Bocca pela Polícia Federal, a ação cumpriu cinco determinações de apreensão de documentos.

O nome da operação é uma alusão à Bocca della Verità. "Desde a Idade Média, acredita-se que se alguém contar uma mentira com a mão na boca da escultura, ela se fecharia 'mordendo' a mão do mentiroso", diz nota da PF. No entanto, há a possibilidade de as prisões serem prorrogadas ou transformadas em preventivas. Permitiu que eles se submetessem ao exame de corpo de delito no IML (Instituto Médico Legal) apenas em Brasília.

Artigos relacionados