Janot pede prisão de Joesley, Saud e ex-procurador Marcello Miller

Janot pede prisão de Joesley, Saud e ex-procurador Marcello Miller

A gravação foi entregue por engano dos advogados, em uma nova etapa do acordo.

Por mais arriscado que fosse, a coletiva de imprensa convocada às pressas na última segunda-feira visava uma autoblindagem de Janot para o que poderia aparecer já durante o mandato de sua sucessora, a procuradora Raquel Dodge.

A imunidade aos irmãos Batista é alvo de questionamento desde maio, quando a delação foi divulgada. Janot tem defendido o acordo com a justificativa de que não havia outra opção.

A PGR suspeita que Miller tenha atuado como agente duplo. Em abril, ele deixou o cargo para trabalhar no escritório Trench Rossi Watanabe, que negociou a delação premiada dos executivos da J&F. Janot concedeu inicialmente até amanhã para que os esclarecimentos sejam prestados.

Revisão. Em caráter reservado, ministros já discutem a possibilidade de a Corte rever o acordo de colaboração da JBS.

Para o procurador-geral, mesmo com os benefícios aos delatores sendo cancelados, as provas contra as pessoas citadas deverão ser mantidas, e continuarão nas investigações.

O ministro destacou que a prisão deve ser pedida, e não pode ser tomada de ofício pelo STF, ou seja, por conta própria, sem provocação. O ex-procurador ainda fazia parte do Ministério Público quando começou a conversar com os executivos, no final de fevereiro. "Gostaria de sugerir isso aqui em meu nome pessoal e, eventualmente, daqueles que concordam com a minha indignação".

O advogado Marcelo Miller chegou pouco depois das 15h desta sexta-feira, 8, à Procuradoria Regional da República (PRR) no Rio de Janeiro, onde prestará depoimento. "Não há nada em relação aos ministros do Supremo".

A prisão preventiva já vinha sendo analisada por Janot nos últimos dias. Se for comprovada, os benefícios poderão ser anulados, disse ele.

Em agenda oficial em Paris, o ministro Gilmar Mendes voltou a disparar contra Janot. "Ele conseguiu coroar dignamente o encerramento de sua gestão com esse episódio do Joesley". O depoimento está marcado para as 15h30 e será fechado.

Artigos relacionados