'EUA pagarão preço devido', ameaça Coreia do Norte após sanções

'EUA pagarão preço devido', ameaça Coreia do Norte após sanções

Tillerson disse em um discurso a autoridades estrangeiras que os testes ameaçam o mundo, e enfatizou que seu país está trabalhando de perto com os aliados regionais Japão e Coreia do Sul.

O regime norte-coreano acredita ser necessário "infligir um golpe" aos japoneses, que "não entraram nos eixos", nem mesmo depois de um míssil balístico intercontinental ter sobrevoado o arquipélago, cujas ilhas "deviam ser afundadas pela bomba nuclear Juché [a ideologia oficial norte-coreana de autossuficiência]", afirmou um porta-voz do Comité norte-coreano para a Paz da Ásia-Pacífico num comunicado reproduzido na noite de quarta-feira pela agência KCNA.

A União Europeia pediu uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, que se realiza na segunda-feira, para submeter a votação uma resolução com sanções adicionais contra Pyongyang depois do último teste militar do país, no último domingo, o mais forte de sempre, com uma bomba de hidrogénio. Ele afirmou que a Coreia do Norte denuncia a "intenção malévola" do governo do presidente Donald Trump e iria "garantir que os EUA paguem o preço devido" por trabalharem pelas novas sanções contra os norte-coreanos.

Pyongyang lançou dezenas de mísseis sob o comando do líder Kim Jong Un e vem acelerando seu programa de armas, concebido para lhe dar a capacidade de visar os EUA com um míssil nuclear poderoso.

Adotando um tom mais duro que o secretário, o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, H.R. McMaster, disse que a paciência dos EUA para soluções diplomáticas para a Coreia do Norte está se esgotando rapidamente.

As negociações entre Estados Unidos e China relativas a anteriores projetos de resolução das Nações Unidas com sanções à Coreia do Norte levaram semanas ou meses.

"Vínhamos empurrando isso pelo caminho, e o caminho acabou", disse McMaster aos repórteres. Não se sabe ainda o paradeiro do míssil de longo alcance.

O comité norte-coreano também se manifestou contra o governo de Seul, que acusou de ser um grupo de "traidores" e de "cães dos Estados Unidos" por terem pedido sanções mais duras contra os seus "compatriotas".

Mas a nota também informa que a precisão do míssil, ainda em fase inicial de desenvolvimento, é baixa.

Artigos relacionados