Cockpit do Copom: Itaú vê Selic a 8,25% e calibragem do ciclo

Cockpit do Copom: Itaú vê Selic a 8,25% e calibragem do ciclo

A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Segundo a regra, quando a Selic está acima de 8,5%, o seu rendimento deve ser calculado pela taxa referencial (TR) - definida pelo Banco Central - mais 0,5% ao mês. Neste ano, o Copom tem mais duas reuniões em outubro e dezembro. Nesta quarta, o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) já havia afirmado que a inflação baixa dava "flexibilidade" ao Banco Central para continuar com a política de redução da taxa básica de juros, a Selic. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA ficou em 0,19% em agosto, no menor nível para o mês desde 2010.

Nos 12 meses terminados em abril, o IPCA acumula 3%, a menor taxa em 12 meses desde abril de 2007. Para este ano, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelece meta de inflação de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto.

O Itaú Unibanco também anunciou nova redução nas taxas de juros de suas linhas de crédito para cliente pessoa física e jurídica, repassando integralmente o corte de 1 ponto porcentual na taxa básica (Selic) anunciado pelo Copom.

No Relatório de Inflação, divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2017 em 3,8%.

O impacto de preços administrados, como a elevação de tarifas públicas e alimentos como feijão e leite, contribuiu para a manutenção dos índices de preços em níveis altos até agosto de 2016.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. No segundo trimestre, o PIB (Produto Interno Bruto) avançou 0,2% na comparação com os três meses anteriores. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo.

Desde 2012, ano em que a Selic chegou a 7,25% ao ano, o governo federal mudou a política de remuneração da poupança para evitar a fuga de recursos dos fundos de investimento em cenários de juros baixos.

Artigos relacionados