Cármen Lúcia não deixa Aécio escolher Gilmar Mendes como relator

Cármen Lúcia não deixa Aécio escolher Gilmar Mendes como relator

Três ministros votaram na outra direção - Ricado Lewandowski, Luiz Fux e Marco Aurélio Mello. Segundo ele, o impacto do reajuste seria de pouco mais de R$ 2 milhões.

"Espero que esse acordo dê ótimos frutos para que a gente tenha realmente uma federação mais forte em que prevaleça o consenso pela realização do interesse público e não com contendas que se arrastam e que levam a sociedade a não acreditar na Justiça", disse a ministra.

A ministra Cármen Lúcia apontou que, na tentativa de um acordo judicial, pode surgir uma outra possibilidade que não onere o Poder Público e as partes, e que não seja binária, onde um ganha e outro perde.

Ele recomendou que os ministros enviassem a proposta de Lei Orçamentária com uma previsão de reajuste de 16,38%, mesmo índice de reajuste do projeto de lei proposto por ele em 2016, enquanto era presidente do STF, e que tramita atualmente no Congresso. "A exigência é de sacrifício de todos os brasileiros", pregou Cármen. É possível que o ministro Gilmar Mendes seja sorteado.

Ele apresentou dados, segundo os quais, em São Paulo, a média salarial dos desembargadores é de R$ 70 mil - acima do teto constitucional que tem por referência o salário dos ministros do STF, que é de R$ 33,7 mil.

Artigos relacionados