60 crianças morrem em hospital indiano por falta de bombas de oxigênio

60 crianças morrem em hospital indiano por falta de bombas de oxigênio

As autoridades da Índia estão a investigar a morte alegadamente por negligência de mais de 60 crianças, algumas delas bebés, nos últimos cinco dias num hospital do norte do país.

Pelo menos 63 menores morreram por encefalite e falta de oxigênio desde a segunda-feira passada no centro médico, onde se registraram 30 das mortes nas últimas 48 horas, segundo publicou a agência local "IANS".

"Abrimos uma investigação e publicaremos hoje (sábado) um informe preliminar. Sessenta pacientes morreram no hospital nos últimos cinco dias, mas não acreditamos que isto esteja relacionado às informações sobre falta de oxigênio", declarou Anil Kumar, representante da polícia de Gorakhpur.

Moradora do vilarejo vizinho de Siddharthnagar, a família correu com o recém-nascido para o hospital no dia 9 de agosto após o bebê ter febre alta.

"Yogi Adityanath [chefe do governo do Estado de Uttar Pradesh, o mais populoso do país com 200 milhões de habitantes] pediu que o caso fosse investigado e garantiu uma acção firme", indicou o seu gabinete numa mensagem Twitter. No texto, 23 crianças morreram na quinta-feira, quando "a pressão da alimentação de oxigênio baixou".

Além disso, o ministro da saúde de Uttas Pradesh, Sidharth Nath Singh, suspendeu o diretor do hospital durante as investigações.

O juiz do distrito Rajiv Rautela negou que a falha no fornecimento de oxigénio tenha causado as mortes, acrescentando que as crianças morreram de causas naturais, em Gorakhpur, no estado de Uttar Pradesh.

Neste sábado, o jornal The Hindustan Times descreveu cenas de pânico no hospital quando a administração de oxigênio foi alterada.

Os hospitais públicos indianos enfrentam diariamente grandes constrangimentos e vivem à beira da ruptura: os doentes enfrentam longas filas de espera, mesmo para as intervenções mais simples, e muitas vezes são obrigados a partilhar camas.

Artigos relacionados