Tesouro confirma que governo estuda postergar reajuste a servidores

Tesouro confirma que governo estuda postergar reajuste a servidores

Pressionado por fortes aumentos em gastos obrigatórios - especialmente com pessoal e benefícios previdenciários - o governo central (composto por Tesouro, Previdência e Banco Central) registrou um déficit primário recorde de R$ 56,1 bilhões entre janeiro e junho.

- Leilões são plano A. Estamos fazendo um monitoramento rigoroso desse processo e não há nenhum indício de que eles não possam ocorrer. Temos uma meta definida por lei e é ela que perseguimos.

- Nosso compromisso com a meta é a demonstração de um reequilíbrio que permite uma recuperação da economia, taxas de juros mais comportadas e inflação sob controle. Estamos firme e coesos nisso.

Questionada sobre o pedido de reajuste de 16% dos procuradores do Ministério Público, ela destacou que essa é uma decisão do órgão, que tem autonomia.

- Não tenho elementos concretos para fazer análise.

A secretária admitiu que o governo precisa rever despesas obrigatórias para fechar as contas não apenas de 2017, mas também de 2018. Por isso, ela afirmou que existe a possibilidade de adiamento de reajustes de servidores públicos no próximo ano.

- O reajustes de 2018 está em lista para ser estudado. No início de cada ano é previsto um reajuste.

"O que está se discutindo, o que pode se discutir é a postergação de um reajuste que já foi aprovado", afirmou. O aumento dos salários dos servidores, que teve a aprovação do Congresso, deve ampliar em R$ 22 bilhões as despesas do governo no ano que vem.

Com o orçamento apertado, o governo já anunciou corte de despesas, aumento dos tributos sobre combustíveis (suspenso pela Justiça) e vem enfrentando dificuldades para manter o funcionamento de alguns serviços. Segundo Ana Paula, uma parte desse valor de pessoal ocorreu devido à antecipação do pagamento de precatórios este ano. Se esses desembolsos fossem retirados da conta, o aumento seria de 7,5%. Até o final do ano, a taxa tende a ficar em 6%.

Artigos relacionados